AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
EXEMPLO

Ciência foi destaque no Paço Municipal nessa segunda (18), em Guarapuava

Alunos do 4º ano de 43 escolas municipais trouxeram seus trabalhos para apresentar à comunidade

terça-feira, 19 de novembro de 2019 - 16:04:00

Lupa científica, braço mecânico, robôs que escrevem, refração da luz e revelação de impressões digitais foram alguns dos experimentos apresentados na 6ª edição do Projeto Cientista Mirim, que ocorreu no Paço Municipal nessa segunda feira (18 de novembro).

Alunos do 4º ano de 43 escolas municipais trouxeram seus trabalhos para apresentar à comunidade. "É um orgulho ver a dedicação de vocês que estudaram para estar aqui hoje falando em nome da escola e que não mediram esforços para fazer o mais bonito. O projeto é um incentivo para que vocês não deixem de buscar, pesquisar, tenham cada vez mais criatividade, vontade de conhecer e de fazer coisas novas", declarou a secretária de Educação e Cultura, Doraci Senger Luy.

A cada estande, os alunos explicavam com segurança e entendimento seus trabalhos. Ana Laura de Lima e Matheus de Oliveira apresentaram o poder do cloro. "Quando coloca cloro na água suja do iodo ela fica incolor. A ciência é importante para o futuro porque com ela dá para criar remédios, fazer cirurgias e equipamentos", destacou a aluna. João Matheus Batista e Rafaelly Freitas aprenderam sobre energia hidráulica e realizaram o experimento. "Nós fizemos um braço que se mexe a partir da força da água. Depois de hoje eu quero ser cientista", disse Rafaelly. Já os alunos Luam Wouk e Alex Correa desenvolveram uma lupa científica. "Nossa lupa deixa os riscos vermelho e amarelo apagados e só mostra o risco de giz de cera azul. Nós gostamos muito de aprender ciência e ela é importante porque ajuda no futuro, porque as pessoas descobrem jeitos de economizar água e energia", afirmaram.

O Projeto Cientista Mirim tem como objetivo despertar nas crianças a prática da ciência e da pesquisa, agregando experiência e promovendo a curiosidade. "O botar a mão na massa faz com que as crianças conheçam um mundo novo e se interessem pela ciência, o que é importante para o futuro deles e do mundo", ressaltou a professora Anelize Kloster Veiga.

Uma dupla de cada escola foi selecionada nas feiras de ciências realizadas nas instituições. Ao final da exposição, todos os participantes foram premiados com jogos educativos.

COMENTÁRIOS