AgronegóciosEditais - Eleições 2020EducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos

Depois de Janaína Naumann, as eleições nunca serão as mesmas em Guarapuava

por: Rogério Thomas

sábado, 7 de novembro de 2020 - 21:03:00

Antes que alguém “expert” em política se antecipe, não se preocupe, não será declarado voto a ninguém neste texto, apenas uma análise da atual conjuntura e realidade local.

O mundo vive um momento temeroso e, ao mesmo tempo, renovador. Basta olhar os Estados Unidos, onde o imbatível sucumbiu. Vai espernear, mas vai acabar engolido pela maior conquista de todos os tempos: a democracia.

Participo de eleições de uma forma direta há 35 anos. Algumas com amores, outras com dissabores, mas todas com aprendizado incondicional.

Por isso, me sinto muito a vontade para escrever sobre as eleições deste ano em Guarapuava, que já é tema para um futuro livro meu (dos tantos que aguardam sair das anotações nos velhos cadernos de espiral).

Colocar o nome à aprovação popular, numa eleição, não é fácil. Acredite, não é nada fácil.

A política é extremamente necessária em todos os momentos da nossa vida. Todos! Ponto. Mas, também, a má política é a arte de desconstruir a vida de quem se propõe a participar de uma disputa política. E olhe que as etapas são muitas. Filiação partidária, constituição de grupo, convencer com argumentos que é o melhor nome, passar por convenção, disputar a campanha. Ahhhhhhhhh, a campanha!

Na contramão da decência, a má política é a arte da descontrução das pessoas. Por isso, muitos nomes fortes ficam de fora das disputas, pois sabem que a “má política” é devassadora.

Guarapuava rompeu uma barreira nas eleições deste ano. Uma mulher está na disputa direta, por mais que os “entendidos” não entendam isso.

Os entendidos dizem que fulano bate ciclano, e beltrano leva. Ou que beltrano é mais forte que ciclano. Porém, esquecem de combinar isso com o povo. Por melhor que seja a estratégia, ou por maior que seja o volume de dinheiro investido, quem decide o voto é o povo. As estratégias são bacanas, mas o voto popular é único, de um em um, e aí se define quem vence a eleição.

A partir das eleições deste ano, Guarapuava terá um número muito maior de mulheres envolvidas, pois uma barreira foi rompida. Uma mulher buscou e conquistou espaço. Agora, o novo tempo está estabelecido, uma última barreira na política de Guarapuava foi rompida.

E para que a geografia política se torne cada vez mais democrática, que muitas “Janaínas Naumanns” venham nos próximos anos.

COMENTÁRIOS





Somos todos filhos do mesmo Deus!

Rogério Thomas

Formado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) em Comunicação Social - Bacharelado em Jornalismo. Já correu esse mundão de Deus, mas ainda não viu de tudo.