AgronegóciosEditais - Eleições 2020EducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
ESTUDOS

Human Cell Atlas anuncia Ipec Guarapuava como membro de rede global de pesquisa

Informações produzidas pelo HCA servirão de base para compreender os aspectos biológicos da saúde humana em nível celular

sexta-feira, 25 de setembro de 2020 - 11:04:00

Está sendo realizado nessa sexta feira (25 de setembro), o “Human Cell Atlas Latin America Virtual Workshop” – um evento on-line inaugural das ações do braço latino-americano do consórcio internacional de pesquisa Human Cell Atlas, o HCA. Realizado pelo Instituto de Ciências Biomédicas II da USP, que é a Universidade de São Paulo, primeiro membro brasileiro do HCA, o workshop virtual também marca o anúncio do Instituto para a Pesquisa do Câncer de Guarapuava, o Ipec, e da Rede Genômica do Paraná, a Napi-Genômica, como novos integrantes do braço latino do HCA.

“O Ipec Guarapuava será anunciado como a segunda plataforma tecnológica de análise genômica de células únicas do Brasil”, explica o presidente do Ipec e coordenador da Napi-Genômica, professor David Figueiredo, de Departamento de Medicina da Unicentro. Para ele, esse é um forte indício que o Instituto de Pesquisa para o Câncer de Guarapuava tem “potencial para coordenar parte das atividades científicas do Human Cell Atlas da América Latina”.

O HCA tem como objetivo fazer o mapeamento genômico de todas as células humanas. As informações produzidas pelo HCA servirão de base para compreender os aspectos biológicos da saúde humana em nível celular. Esse entendimento resultará em diagnósticos mais precisos e, consequentemente, em um melhor e mais eficaz tratamento das doenças.

Para o presidente do Ipec, “a cidade de Guarapuava, o estado do Paraná, além de todos os 150 membros da Rede Genômica estão de parabéns. Isso é um exemplo de que quando uma ideia é bem planejada, pensando na integração da comunidade científica, com a missão de resolver os problemas universais da saúde humana, desperta o interesse dos grandes consórcios internacionais, como o Human Cell Atlas”. Assim, finaliza Davi, “quem ganha com tudo isso é a população, que precisa, cada vez mais, de assistência de excelência em saúde e do que chamamos de medicina de precisão”.

(Com assossoria/Unicentro)

COMENTÁRIOS