AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos

O PERECÍVEL E O ETERNO

por: Jairo Filho

quinta-feira, 28 de novembro de 2019 - 10:49:00

Os coaches da vida tem ensinado a produzir alta performance o tempo todo para realizar nossos sonhos de consumo aqui e agora. Por uma perspectiva motivacional da carreira profissional isso é válido. Porém, é válido até certo ponto; pois, pela perspectiva subliminar das palestras de autoajuda, escondem-se estas tragédias no coração: Viver, exclusivamente, de si para si mesmo; sofrer a frustração por não conseguir realizar o sonho; ou a contínua e secreta insatisfação no ego vazio, mesmo após muitas conquistas.

Se a única meta de nossas vidas e a única razão de existir está em torno de realizar sonhos e nas conquistas aqui e agora, somos os mais miseráveis de todos, uma vez que flagramos nosso coração atolado na tragédia da frustração e da insatisfação no que é perecível. Muitos já chegaram ao topo do sucesso e no ponto de olhar a vida pelo retrovisor e sondar que vivem em torno e em busca do que é efêmero, perecível, passageiro, momentâneo, fulgaz. Vivem ansiosos por tudo que tem fim; buscam apenas tudo que se esgota; e trabalham para consumirem apenas o que tem prazo de validade. O efeito colateral de tudo isso é uma vida vazia, exausta, inútil, desesperada e sem sentido.

Há frustração e insatisfação, porque fomos criados para a transcendência e para a eternidade. Sabendo dessa carência, Jesus revela a si mesmo como aquele que pode suprir nosso anseio por transcendência aqui e agora e pode nutrir com a esperança da eternidade. Após Jesus fazer o milagre da multiplicação de pães e peixes (João 6:1-15), a multidão, de barriga cheia, busca Jesus apenas para extrair dele mais milagres (João 6:26). Até a busca do milagre em si mesmo é perecível para a multidão insaciavelmente gulosa por shows de milagres. Então, o Senhor Jesus exorta: "Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo." (João 6:27). Ele nos alerta a não trabalhar pelo perecível, mas por tudo que seja relacionado à vida eterna.

Diante das sábias palavras de Jesus, surgem estas perguntas inquietantes e confrontadoras: Nós acordamos cedo, nos esforçamos ao máximo e trabalhamos para quê e para quem? Qual o propósito e o resultado de nosso trabalho? Qual tem sido e qual será o legado de todo trabalho? Se as repostas forem relacionadas apenas ao aqui e agora, com certeza, haverá frustração, insatisfação e enfado na vida.

É fato incontestável: Nada nesse mundo satisfará o coração. Por isso, Jesus é o Pão da Vida; quem dele comer jamais terá fome, mas viverá eternamente (João 6:35, 48 e 51). Ele é o único que pode saciar a fome da alma com um apetitoso banquete de vida eterna. Por isso, a maior e mais excelente experiência da vida é trabalhar, viver e morrer por aquele que é eterno e nos deu a vida eterna. É viver em prol daquele que trabalhou sacrificialmente por nós na cruz para que todo o que Nele crê não seja perecível, mas tenha a vida eterna (João 3:16). Essa é a única esperança de viver: morrer de tanto viver longos anos por Jesus, para Ele e com Ele por toda eternidade. O único projeto de vida sábio é conduzir e contribuir com muitos para viverem a realidade e a esperança da eternidade a partir do aqui e agora. A vida só vale a pena se for para deixar herança, investimentos, bens, valores e legado que sejam ligados à eternidade em Cristo. Enfim, trabalhe para dar o Pão da Vida aos famintos. Assim, a vida não será perecível e em vão, mas eternamente feliz.

Pense nisso! E reflita a partir disso!

Em Cristo, o unigênito filho de Deus enviado para que todo aquele que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Jairo Filho – Pastor da Igreja Presbiteriana Bonsucesso em Guarapuava-PR. 

COMENTÁRIOS





Palavras do Jairo Filho

Jairo Filho

Pastor da Igreja Presbiteriana Bonsucesso, mestrando em Teologia e licenciado em História.