AgronegóciosEditais - Eleições 2020EducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
DE NOVO?

Pela 2ª vez em 16 dias, PM estoura o mesmo ponto de jogatina em Guarapuava

Medidas de prevenção ao coronavírus não estavam sendo cumpridas

domingo, 4 de abril de 2021 - 11:10:00

A Polícia Militar estourou pela segunda vez em 16 dias um ponto que era utilizada para jogos de azar em Guarapuava.

A ocorrência foi registrada na tarde desse sábado, por volta das 16h, quando os policiais acompanharam uma equipe de fiscalização da Prefeitura.

Uma denúncia de aglomeração apontava que um grupo pessoas estaria descumprindo o decreto municipal referente às medidas restritivas contra o Covid-19, na rua Barão do Rio Branco, no bairro Batel. Ao chegar em frente à residência, foi verificado que haviam 10 pessoas ali reunidas e não faziam o uso de máscara. As equipes policiais e os fiscais da Prefeitura constataram que estava sendo praticado jogo de azar, existindo ali mesas características para a prática de jogos de baralho, com cartas espalhadas sobre elas e dinheiro depositado em provável aposta.

As equipe de fiscais da prefeitura efetuaram a autuação dos presentes, bem como foram encaminhados todos o envolvidos ao 16º Batalhão de Polícia Militar para a lavratura do termo circunstanciado. Também foram apreendidos os baralhos utilizados. O dinheiro que estava sobre a mesa foi recolhido pelos presentes no momento da abordagem, não sendo possível precisar a quantidade que cada um havia apostado.

Realizada abordagem e cientificados quanto aos seus direitos constitucionais, sendo que durante a abordagem policial, um dos abordados dizendo ser advogado, porém mesmo após ser solicitado, não apresentou sua identificação, sendo identificado posteriormente como um homem de 29 anos. Ele começou a questionar a legalidade da presença da equipe policial, funcionários da prefeitura e da fiscalização, dizendo que precisariam de mandado judicial, pois estavam em propriedade particular, sendo todos orientados.

Apresentaram-se como locatários do imóvel, responsáveis pela residência e organizadores do evento, um homem de 40 anos e uma mulher de 23 anos, sendo que a mulher relatou que o valor da entrada para a partida de jogo é de R$ 50,00 e que além de participar, cobra R$ 50,00 dos frequentadores para ceder sua casa para a prática de jogo de azar. Desta forma, com apoio das demais equipes, foram todos conduzidos nos bancos traseiros das viaturas para lavratura de termo circunstanciado, onde após lavrados os documentos pertinentes, foram liberados. Foram apreendidos, 30 baralhos lacrados, além de aproximadamente 800 cartas de baralhos avulsas que estavam sendo utilizadas nos jogos.

 Durante a confecção de termo circunstanciado, foi verificado que no mesmo endereço, os proprietários já haviam sido notificados no dia 18 de março, pela mesma prática delituosa, conforme boletim de ocorrência anterior.

COMENTÁRIOS