O compartilhar entre crianças!

* Por Emanuele Marcondes

21/10/2021 10H08

Não é segredo mais, que para as crianças as coisas possuem um significado muito intenso e profundo. 

Em sala de aula, eu fico admirada como as crianças sabem o que é seu, sua mochila, roupas, brinquedos e materiais. Eles sempre saberão o que é deles, mesmo que seja igual o do outro, e esse senso de identificação é algo que eu admiro muito no universo infantil.

Hoje eu quero falar sobre o compartilhar entre as crianças, mais especificamente eu quero falar sobre uma atitude muito comum, que é quando uma criança não quer emprestar algo à outra, e um responsável toma da mão dessa criança para dar àquela que quer. 

Confesso que nunca entendi essa ação, claro que, aprender a dividir e emprestar é algo essencialmente necessário, mas, tomar da mão da criança algo que é dela, sem permissão, sem deixar escolhas, é no mínimo uma falta de respeito. 

A verdade é que as crianças sempre vão querer o que é o do outro então antes de partir pra essa tomada, vale as perguntas: “Você precisa nesse momento desse brinquedo do amiguinho? , “O amigo não quer emprestar agora, mas daqui a pouco ele te empresta, pode ser?” “ Que tal você oferecer uma troca, empresta o seu pelo dele.” Entre outras que não serão desrespeitosas a ninguém, até porque nesse jogo de tirar da mão de um porque o outro quer, sempre irá chatear o dono do objeto, e por que agradar um e desagradar o outro? Não faz sentido não é mesmo? 

Escrevendo isso, voltei pra uma situação da minha infância, era natal e estávamos reunidos na casa de uma tia, todos os meus primos tinham madrinha dentro da família e sempre ganhavam muitos presentes, já eu não tinha nenhuma então levei para o almoço meu único presente, o da minha mãe. A minha tão sonhada boneca preta era um sonho realizado, e eu não queria mais nada. 

Mas mesmo assim, com meu único brinquedo e meus primos com tantos, minha prima abençoada queria o que? Sim, a minha boneca. 

Lembro dela lamentar que eu não queria dividir, ( era a única coisa que eu tinha) e nisso minha mãe tomar da minha mão, e dar pra ela. Talvez seja minha primeira lembrança sobre injustiça, poxa vida, além da tristeza de não ganhar outros presentes ter que dividir minha única boneca com alguém que tinha tantas opções. Não demorou muito pra ela deixar de lado e eu com tanta alegria ir pegar, pois aguardava ansiosa ela deixar de brincar. Pois pra mim tinha valor, diferente de querer só o que é do outro.

Talvez, seria mais fácil se houvesse um diálogo intermediando a situação, eu entenderia ao invés de me sentir acuada, mas o termo talvez pouco faz sentido pois não é uma realidade. 

Talvez você, que está lendo, pode agir diferente e tornar realidade em sua vida e na vida dos seus. 

O convite de hoje é: vamos prestar atenção e intermediar as situações entre as crianças? Visando sempre o conforto de todas presentes? 

Vamos propor reflexões e compreensões sobre as situações? 

É isso meus amigos, não tomem brinquedinho do seu filho pra dar para o amiguinho, muito além de ensinarmos a dividir, precisamos ensinar o valor de uma boa conversa e um bom combinado.

Emanuele Marcondes

Me chamo Emanuele Marcondes e tenho 26 anos, sou apaixonada pela vida e pela oportunidade de sermos alguém melhor. Sempre fui uma grande leitora, gostava de ler revistas, livros e etc. O amor pela leitura me tornou uma pessoa sensível com as palavra

Deixe seu comentário:

Veja Mais